Acessos: 963987
Você Sabia?
 
Mês:
01 - 02 - 03 - 04 - 05
06 - 07 - 08 - 09 - 10
11 - 12 - 13 - 14 - 15
16 - 17 - 18 - 19 - 20
21 - 22 - 23 - 24 - 25
26 - 27 - 28 - 29 - 30
31

VOCÊ SABIA...que, no dia 16 de janeiro, comemora-se o DIA NACIONAL DOS CORTADORES DE CANA?   No estado de São Paulo, todavia, comemora-se o Dia do Cortador de Cana, no dia 12 de agosto, instituído pela Lei nº 4.188, de 17 de agosto de 1984. No que diz respeito à história da região, indiscutível a contribuição desse trabalhador. Sempre se diz que são os poderosos e vencedores aqueles objetos da História. Sabemos, e muito, sobre as sagas das famílias dos usineiros, mas quase nada do anônimo trabalhador da indústria e do campo, responsável igualmente pelo sucesso do agronegócio sucroenergético. Nos dias de hoje, impõe-se ombrear os trabalhadores rurais no mesmo nível desses empresários. Alguns poderão contestar, ainda os entendendo como vítimas de uma relação de trabalho injusta e de exploração do homem pelo homem. Se fizermos um retrospecto dessa atividade, verificaremos que ela caminha, a passos largos, para a extinção e que a situação já foi bem pior. O quadro desse tempo foi objeto de várias publicações de estudos sociais como “O Mundo do Volante – Trabalhadores Rurais de Cravinhos – 1974”, de Lúcia Helena F. de Sabóia; “Greve dos Boias-Frias de Guariba e a Repressão ( maio de 1984)”, de Maria Del Carmem Tubio Pereira; “O Conflito Social de Guariba – 1984-1985” , de Alexandre Marques Mendes e “Boias-Frias – Uma realidade Brasileira – Um Estudo Sócio-Econômico e Nutricional sobre os Trabalhadores Volantes Rurais da Área de Ribeirão Preto", sob a coordenação do Prof. José Eduardo Dutra de Oliveira. A propósito da greve, com violência, de Guariba, os trabalhadores foram vitoriosos tendo conseguido o primeiro acordo coletivo de trabalho. Indiscutivelmente, a atuação conjunta do Ministério Público, dos sindicatos e do Ministério do Trabalho, com a colaboração dos tomadores dos serviços, tem modificado bastante esse quadro. A figura do “gato” foi praticamente eliminada. Os tomadores de serviços assumiram os contratos de trabalho, com registro em carteira. O transporte vem sendo feito por ônibus de qualidade e manutenção controladas, com os equipamentos transportados no bagageiro. Ademais, dada a fiscalização permanente, está sendo cumprida, rigorosamente, a norma reguladora NR—31, que dispõe sobre fornecimento de E.P.I. (Equipamentos de Proteção Individual), a instalação de banheiros químicos e as pausas durante o trabalho. Se o trabalhador inicia o trabalho às 7 horas, deve fazer uma pausa entre 9,30/10 horas, de 15 minutos. Tem a hora do almoço, com tenda, mesa, cadeira, água potável (durante todo o trabalho) e banheiro químico. Ao depois, na continuação do labor, entre 14,30/15 horas, deve fazer outra pausa de 15 minutos. Ao mesmo tempo que isso acontece, cumpre reconhecer a redução considerável do número de cortadores de cana. Duas são as razões principais: a mecanização do corte, colheita e transporte, que, neste nordeste de São Paulo se aproxima de 100%. Ademais, apesar da legislação ter permitido, até 2017, a queima da cana para corte em propriedades até 150 hectares, liminar judicial a proibiu, dificultando o corte manual. Assim a cana com palha é cortada, manualmente, apenas em áreas de difícil mecanização.  A outra razão é a construção civil, que provocou grande evasão da mão de obra rural. A tudo isso, resta entender o cortador de cana como um vencedor. Geralmente procedem eles do Vale do Jequitinhonha, região paupérrima de Minas Gerais. Uma parte vem e volta após a safra. A grande maioria se estabeleceu nesta região por não ver perspectivas em seus lugares de origem. No início incharam as cidades, provocando déficits de infraestrutura, escolas, calote no comércio, assistência médica, violência, prostituição, etc. Com o tempo, as coisas foram se acertando. Melhoram suas rendas. Obtiveram casas da Cohab, os filhos estudaram e se alimentaram com a merenda, se empregaram no comércio, na própria usina como operadores de máquinas e na construção civil. Muitos deles fizeram curso técnico e se empregaram na indústria. Ampliaram a renda familiar ou formaram suas próprias famílias. E,indiscutivelmente, VENCERAM!

VEJA VÍDEOS DE COMO VENCERAM, NO LINK:

https://www.youtube.com/watch?v=HHNcevc3Owk

 https://www.youtube.com/watch?v=xkxFFb_OPyE